Passeio a Parnaíba a bordo de minha Apache


Deu na cabeça, então parti para minha primeira longa viagem sobre duas rodas, frente à necessidade de ir ao tão belo e magnífico litoral piauiense, não pensei duas vezes, optei por pôr a “pretinha” na estrada e fazer muita poeira.

Manhã tranquila de domingo, levantei 05 da matina, já com tudo pronto, malas feitas, tanque cheio, pneus calibrados, óleo e filtro novos, ou seja, tudo checado para que uma viagem sem pressa, tranquila  e, possivelmente, livre de imprevistos. Amarro a mochila na garupa, tomo um último gole de café, e pé na estrada.

Faltando cinco minutos pras seis da manhã passo pela rotatória da Ladeira do Uruguai, e entro, de fato, na BR 343, com destino inicial a Parnaíba, de Nossa Senhora das Graças, e acompanhado por ela, sigo.

Na primeira parte da viagem, uma brisa leve e fria me acompanha, seguida de um sol contundente mesmo às lentes escuras de meus óculos. A Altos chego rapidamente, com trânsito muito tranqüilo e um sol não tanto, apesar do horário, sigo em diante.

Chegando a Campo Maior de Santo Antônio, dou aquela velha parada para tomar um quente e gostoso café com leite, acompanhado de um apetitoso beiju, e, de novo, pego a estrada, já por volta das sete horas. Até Piripiri, passo por Cocal de Telha e Capitão de Campos sem parada nenhuma, bateu uma leve dorzinha nas costas, mal de quem anda em moto pequena, a jaqueta, também, um pouco folgada, incomodou em alguns momentos, mas nada que me causasse arrependimento desta empreitada solitária.

Nesse trecho, passam por mim duas Suzuki’s GSX, tive que deixá-los passar, para não constrangê-los! (rs) Já em Piripiri, no Posto Petecas, encontro os dois motociclistas que passaram por mim há poucos minutos, estavam a caminho de Fortaleza, foram a Teresina para o Encontro de Motociclistas, pois bem, completo meu tanque, que consumiu sete litros neste percurso, e sigo meu caminho novamente.

Em Brasileira, aquela dorzinha chata nas costas de outrora apertou novamente, aproveitei, parei em uma farmácia e comprei um relaxante muscular que me proporcionou uma viagem mais confortável. Sigo, então, e como disse, sem muita pressa, aproveitando a paisagem, ou melhor, fazendo parte dela.

Ainda sem muita pressa de chegar, parei em Piracuruca  e em seguida em buriti dos Lopes, trecho este que particularmente acho meio chato!

Enfim em Parnaíba, exatamente às dez horas da manhã!

No dia seguinte sigo à caminho de Cajueiro da Praia, neste dia, um grande vacilo. Trafegando pela PI___, paro para abastecer no Camurupim, e toco a pretinha na estrada, vou direto, sem dobrar, e para minha surpreso acabo chegando na divisa do Piauí com o Ceará, onde dou meia volta, injuriado, e adiante pego uns 10 quilômetros de chão que me fazem economizar outros trinta, logo, chego ao Cajueiro, resolvo o que tenho pra resolver, sigo em uma estrada de calçamento de Cajueiro à tão bela Praia de Barra Grande, passando pela Barrinha, verdadeiros paraísos de nosso litoral. O retorno a Parnaíba foi por Luís Correia, outra bela estrada, vale ressaltar as ótimas condições das rodovias piauienses.

Depois de muito rodar em Parnaíba, parto para a cidade vizinha de Ilha Grande, apenas nove quilômetros com curvas muito acentuadas e sinalização precária, estrada muito perigosa, por sinal.

Às cinco da manhã da quarta-feira, parto em direção a Teresina, sob um frio absurdo, de bater os dentes, faço uma viagem tranquila  e sem muitas paradas, duas apenas, uma em Piripiri, para abastecer, e uma em Campo Maior, para algumas fotos, e, enfim, Teresina!

Bem, meus irmãos, esse foi um breve relato de minha viagem, espero que curtam, segue em anexo algumas fotos dessa aventura.

Viajar é muito bom, mas voltar pra casa é melhor ainda!

  “Para os anjos Deus deu duas asas, para os homens, duas rodas.”

Fraternalmente,

Bruno Cordeiro

Tags:,

Comentários & Respostas

2 Respostas até agora.

  1. Marcos Júnior disse:

    Meu irmão que beleza de relato. Confesso que senti inveja. Acabo de me filiar ao MCBDA e não sei nada da nossa facção, nem os pontos de encontro.
    Parabéns pela bela viagem.
    Marcos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *